administração

O enigmático mito da perfeição


Existe líder perfeito?


Perfeccionismo

Em um mundo tão influenciado pelo volume e pela rapidez das informações, é comum que haja uma preocupação com a eficácia e a eficiência dos resultados corporativos, existindo uma pressão exacerbada por resultados cada vez mais rápidos e contundentes. Como consequência, vem se propagando a figura do líder perfeito, aquele que é excelente e produz resultados mais do que satisfatórios. Contudo, será que esta personificação existe mesmo? Existe mesmo a perfeição na liderança?

Perfeição, segundo o Aurélio - significa ausência de defeitos e como todos sabem todo ser humano possui defeitos, mas independentemente de características pessoais, liderar significa, de forma resumida, o ato de conduzir pessoas a atingir resultados determinados. Ao conduzir pessoas, o líder passa a lidar com valores, crenças, características e comportamentos diversos, e deve ajustá-los dentro de um padrão de comportamento estipulado pela cultura da empresa e pelo seu próprio estilo de liderar. 

Além disso, tem que lidar com suas próprias percepções, crenças e valores, mediante tudo que experimenta neste contato com estas pessoas. Outra característica fundamental na liderança é a bagagem da experiência, de saber tomar as decisões corretas nos mais variados cenários, que normalmente baseiam-se na sua vivência anterior, experiência esta que foi adquirida mediante erros e acertos. Assim, para cada acerto, há de haver um ou alguns erros anteriores, e que irão moldar o perfil e o estilo de sua liderança.

Qual o melhor modo de liderar?


Péssima liderança
O problema é que este cenário de busca de resultados excepcionais, na sua maioria em curtíssimo período de tempo, força os líderes a serem perfeitos constantemente, a criarem uma imagem de que nunca erram, de que sempre sabem as respostas, o que na sua essência, não acontece com nenhum líder. 

Buscar esta perfeição para trazer resultados espetaculares faz com que muitos líderes cometam erros grotescos e simplórios, com que tentem muitas vezes passar por cima de sua equipe para alcançar tais resultados, mesmo que sejam a todo custo, chegando até a infringir a ética e os valores morais. E nas ocasiões em que se dão conta do que fizeram se perguntam o porquê e em prol de quê tomaram tais decisões e executaram tais ações.

O líder eficaz, por sua vez, sabe que não é perfeito, reconhece muito claramente até onde pode chegar e o quanto consegue extrair o máximo de sua equipe, ponderando muito bem quais resultados pode aceitar como entregas e em que prazo pode aceitá-los para que consiga cumpri-los. Esta atitude mostra uma visão além, pois o líder eficaz não busca o título de ser perfeito, e sim cumprir com os resultados, mesmo que tenha que negociá-los. Portanto, o líder eficaz sempre se faz algumas perguntas antes de aceitar um desafio de entregar determinados resultados, que são: Detenho o conhecimento necessário para este trabalho ou projeto? Que recursos preciso mobilizar para atingir estes resultados? Qual o ritmo de trabalho atual da minha equipe? Como motivar minha equipe para atingir os resultados esperados? É possível alcançar estes resultados no prazo certo?

Concluindo


Após responder estas perguntas, se o líder tiver convicção de que consegue entregar os resultados satisfatórios no prazo sem prejudicar o ritmo de trabalho atual, ele é considerado um líder eficaz, que mantém uma equipe sempre pronta. Mas se perceber que é necessário fazer algum ajuste, ele deve negociar com a empresa novos termos e tomar as decisões necessárias para cumprir os objetivos, pois, se aceitar trazer os resultados mesmo reconhecendo que há deficiências que podem atrapalhá-lo, estará aumentando a probabilidade de falhar e de aumentar as estatísticas dos líderes que não são considerados perfeitos, justamente por falharem.

Estes Líderes Eficazes, tratados por vezes como Líderes Perfeitos, normalmente trazem os resultados esperados nos prazos estipulados, simplesmente porque se certificaram anteriormente de que conseguiriam atingir estes objetivos. Entretanto, em alguns momentos estes líderes podem falhar, e sabem muito bem disto, tanto que lidam com esta possibilidade, preparando-se sempre para o modo de agir caso isto aconteça. Portanto, não há perfeição na liderança, e sim muita autoconhecimento, preparação prévia, experiência adquirida e muito compromisso com os objetivos e com a equipe. Mesmo assim também há erros, e são justamente estes que trazem a experiência necessária para alcançar os próximos acertos. Perfeição, com certeza, somente a Divina!

-----

Assinatura Diogenes Monclair
Linkedin: Diogenes Monclair

portal administração feed
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
COLUNAS
RECOMENDAMOS
REDES SOCIAIS
-------------------------------------------------
Receba Nossas Atualizações
PARCEIROS